A Produtora

Na certeza do cinema ser ação, uma série de verbos rondaram: Arder, Cavar, Crer, Devir, Rendar, Sangrar, Tornar…

Mas surgiu “Haver”.

Fazer cinema é inevitável, a única coisa que faz sentido. A jovem produtora, criada em dezembro de 2011 por Aristeu Araújo e Dê Kelm, parte desse pressuposto. Hoje, administrada apenas por Dê Kelm, continua com o mesmo princípio: cinema como forma de existir, apenas ser e ponto. Haver Filmes.

 

Dê Kelm, 34 anos, é cineasta. Estudou Direção de Ficção na Escuela Internacional de Cine y Televisón de San Antonio de los Baños –  EICTV, em Cuba. Com dez anos de experiência com direção e roteiro, administra a produtora HAVER FILMES. Dirigiu 14 curtas, entre documentários e ficções, que foram premiados e exibidos em mais de 50 festivais nacionais e internacionais. Destaque para “Soy”, premiado no Festival IDFA (Holanda), o maior festival de documentários do mundo; “Día de Xangô”, premiado no Festival Latino Americano de São Paulo e “Lui”, que recebeu menção especial no Festival Internacional Olhar de Cinema, além de ser exibido em diversos festivais da Europa, Canadá e Estados Unidos; entre outros. Em 2020, lançou na Mostra de Cinema de Tiradentes seu primeiro longa-metragem documentário “Mães do Derick”. Atualmente trabalha no roteiro de seu primeiro longa-metragem de ficção “Valsa de Lui”.

“Agora o verão se foi,
E poderia não ter vindo.

No sol está quente,
mas tem de HAVER mais.

Tudo aconteceu.

Tudo caiu em minhas mãos
Como uma folha de cinco pontas,

Mas tem de HAVER mais.

Nada de mau se perdeu,
Nada de bom foi em vão…

Uma luz clara ilumina tudo
Mas tem de HAVER mais.

A vida me recolheu
A segurança de suas asas.

Minha sorte nunca falhou
Mas tem de HAVER mais.

Nem uma folha queimada,
Nem um graveto partido.

Claro como um vidro é o dia…
Mas tem de HAVER mais.”

Poema recitado no filme “Stalker”, de Tarkovski.